Português Italian English Spanish

Pai do menino assassinado em Planalto, falou com a Rádio Estação sobre o caso

Pai do menino assassinado em Planalto, falou com a Rádio Estação sobre o caso


Rodrigo Winques estava separado da mãe do menino

Planalto- O pai Rodrigo Winques, falou na manhã desta terça-feira, 26, em entrevista à Rádio Estação FM, sobre o relacionamento da mãe, que confessou ter matado filho, Rafael Mateus Winques de 11 anos, no norte do Estado e que estava desaparecido desde o dia 15 de maio. Segundo Rodrigo, que reside na cidade de Bento Gonçalves e está separado da mãe do menino, ele teria conversado com o filho a poucos dias, tendo dito ainda, que a conversa era quase que diária pelo WhatsApp.

Ele disse ter recebido uma ligação na sexta-feira,22, pela manhã, quando lhe questionaram se o menino estava com ele. “Eu estava trabalhando na roça e não dei muita bola, jamais imaginava que teria acontecido isso com meu filho. A ligação caiu e depois voltei a ligar para saber mais sobre ele. No sábado eu fui para Planalto”, contou. O pai falou ter prestado depoimento na DP, onde cruzou pela ex-mulher. “Mesmo sabendo que o filho estava morto, ela entrou na delegacia, como quem entra em uma loja, parecendo não ter acontecido nada”, disse Rodrigo.

A localização do corpo de Rafael, foi confirmado pela Polícia Civil no início da noite desta segunda-feira, 25. Segundo a Polícia, a mãe Alexandra Dougokenski, confirmou que matou o filho. O corpo estava enrolado em um lençol, dentro de uma caixa, em uma casa abandonada, nas proximidades de onde o menino residia.

A mãe disse que a morte teria sido ocasionada por medicação, mas a versão está sendo apurada pelos policiais. No primeiro depoimento a mãe disse que o menino era muito nervoso e que matou o filho de forma culposa, sem intensão de matar, ao referir-se à medicação dada a Rafael. Os investigadores chegaram até o local onde estava o corpo, depois da mãe confessar o crime.  Ela foi presa preventivamente e vai responder por homicídio. A Polícia vai ampliar as investigações e saber se ouve a participação de outras pessoas no crime.