Português Italian English Spanish

RGE investe R$ 1,4 milhão na renovação da iluminação pública de Carlos Barbosa

RGE investe R$ 1,4 milhão na renovação da iluminação pública de Carlos Barbosa


Operações ocorre na iluminação pública e braços das luminárias

Carlos Barbosa- A Rio Grande Energia-RGE, está investindo R$ 1,4 milhão na renovação da iluminação pública em 1.227 pontos de Carlos Barbosa, onde as lâmpadas de vapor de sódio serão substituídas por novas unidades com tecnologia LED e troca dos braços das luminárias. A execução das ações ocorrerá a partir deste mês de agosto, em parceria com o município, que cadastrou projeto na Chamada Pública de Eficiência Energética da distribuidora.

A RGE estima que o município tenha redução de R$ 538 mil ao ano com as contas de energia em função do novo sistema de iluminação, o que corresponde a uma economia de 692,58 MWh/ano em energia e uma redução na demanda de ponta de 159,90 kW.

Segundo o analista de Eficiência Energética da RGE, Odair Deters, em poucas semanas os moradores de Carlos Barbosa poderão perceber os benefícios desta ação em termos de qualidade da iluminação, que melhorará a fidelidade das cores e também a sensação de segurança ao transitarem por esses locais. “É motivo de orgulho para a RGE poder contribuir para a renovação de parte do sistema de iluminação da cidade e beneficiar todos os moradores", destaca Odair.

Já a Consultora de Negócios da região, Polyanna Souza da Cunha, destaca o salto que a cidade terá com a iluminação de LED. "As lâmpadas são mais eficazes na iluminação, mais econômicas, duradouras e exigem menos manutenção. Ou seja, se comparadas às luminárias dos modelos mais antigos, elas representam grandes ganhos em termos de qualidade da luz emitida e nos valores para a manutenção do sistema num médio prazo", comenta Polyanna.

Para a RGE, essas ações são um ponto de partida. A distribuidora espera que as organizações, tanto públicas quanto privadas, possam ter outras práticas voltadas ao consumo consciente de energia e a substituição de equipamentos menos eficientes pelas novas tecnologias. Isso tudo, além de otimizar o consumo, ainda gera economia financeira aos locais que adotarem as práticas, podendo direcionar os valores para outras necessidades.